Sarna demodécica. O que é?

Padrão

 

 

Também conhecida como Demodicose ou pelos antigos como “sarna negra” é uma doença congênita de pele, ou seja, o cão nasce com ela, já que há uma hereditariedade ; se a mãe tem, os filhotes também terão. A doença é causada por um ácaro bem pequeno só visto com microscópio, e que em animais de imunidade mais baixa acaba por se multiplicar sem controle, causando a sarna.

Por isso quando se deseja comprar um filhote é sempre indicado visitar o canil para avaliar condições de higiene do local e ver a mãe dos filhotinhos e outros animais presentes para que você se certifique de que não ha maus tratos daqueles animais. Muitos canis SABEM que suas fêmeas tem a sarna, portanto teriam que ser retiradas da reprodução e castradas, mas simplesmente omitem isso dos compradores.

Os sintomas começam a aparecer cedo nos filhotes , como descamação, perda de pelo, crostas e muitas vezes coceira já que em muitos casos há infecção bacteriana secundária. Foi chamada de sarna negra porque não sendo tratada a pele fica com um aspecto mais escurecido, podendo ter outras doenças concomitantes. Antigamente eu mesma atendia casos da sarna em que o proprietário ouvia dizer que teria que sacrificar o animal. Não gente, isso nunca foi necessário. É uma doença estética que causa muito desconforto aO animal, claro, mas hoje em dia temos opções ótimas de tratamento e mesmo alguns anos atrás já tínhamos, então se vocês ouvirem do vizinho ou parente que um animal que tenha sarna negra deve ser eutanasiado, simplesmente não se importem. Procurem o veterinário ao menor sinal de problema na pele do seu animal.

O diagnóstico é feito com raspados de pele, sendo bem simples e o tratamento consiste em comprimidos que irão suprimir o ácaro, assim como banhos terapêuticos e suplementos para melhorar a imunidade. Ela pode sim voltar, em episódios mais brandos  ou mesmo nem voltar, mas o tratamento consegue eliminar todo o problema.

Mais dúvidas entre em contato comigo também pela fan page: Na casa do bicho – Isa Casline Veterinária.

Eclâmpsia em cadelas

Padrão

 

 

 

Puppy-time-free-license-CC0

Ontem chegou até mim um caso de eclâmpsia que felizmente consegui reverter a tempo, mas nem sempre é assim. Por falta de informação da proprietária sobre essa ocorrência é que resolvi escrever sobre o assunto.

A eclâmpsia pode acometer cadelas de qualquer raça, tamanho e idade. Embora as raças pequenas sejam mais acometidas.O aparecimento dos sinais é realmente de uma hora pra outra, e os proprietários sempre alegam que o animal estava muito bem apenas um dia antes, como no caso da minha paciente, uma Spitz de dois anos e meio, que teve um parto normal e nasceram 3 filhotes saudáveis , ha 15 dias e que estavam muito bem. O que aconteceu foi um erro do manejo na alimentação dela, já que a proprietária desconhecia que deveria trocar a alimentação de adulto dela por uma de filhote, mantendo essa ração de filhote até terminar o desmame dos filhotes.

Porque trocar a ração?

Porque a demanda de cálcio num animal gestante é muito maior e quando está amamentando ainda mais e a ração de filhote contem níveis de cálcio mais elevado, conseguindo suprir essa demanda. Quando isso não ocorre há uma baixa de cálcio no organismo da fêmea, gerando sinais como tremores musculares, alta de temperatura , convulsões, respiração extremamente acelerada. É uma condição que deve ser tradada como emergência porque pode levar o animal à òbito.

A eclâmpsia acontece geralmente apos 10 dias de parto ,mas pode ocorrer em qualquer fase da amamentação. O tratamento consiste em suprir o calcio em falta no organismo geralmente por via endovenosa, por isso a fêmea deve ser levada com urgência ao veterinário. Após a alta da fêmea da clínica, geralmente é indicado a troca imediata da ração e um suplemento oral de cálcio pelo resto da amamentação.

Para evitar que ela ocorra, sempre que desejar colocar pra cruzar a sua fêmea, consulte um veterinário sobre a forma mais adequada de alimentação nessa fase. Com certeza , dessa forma evitará surpresas desagradáveis.

Para dúvidas, pode deixar um comentário aqui no blog, ou então na fan page Na casa do bicho – Isa Casline Veterinária.

Vacina contra gripe. Cães também podem e devem tomar.

Padrão

pexels-photo-93825

Nesse frio cortante, muita gente tem me perguntado se assim como nós, os cães também podem tomar vacina contra gripe. Sim, já há muitos anos há disponível no mercado vacinas contra a gripe canina, que é transmitida por diferentes patógenos, mas que possui sintomas semelhantes a nossa gripe e se não cuidada, também pode levar a quadros piores, como uma pneumonia.

Nesse post anterior aqui, está detalhado como é a gripe canina.

A vacinação contra a gripe canina pode começar ainda com seu animal filhote, podendo ser dada juntamente com a vacina v10 ou v8, sendo aplicada em duas doses, com diferença de um mês cada uma. Após a fase adulta, ela deverá ser repetida anualmente. Principalmente em animais que tem acesso constante a rua.

Não deixe de perguntar ao seu veterinário sobre essa vacina, se o seu cãozinho não tomou. Assim como nos humanos , a gripe canina também se propaga com muito mais facilidade em épocas frias.

Para mais dúvidas, deixe um comentário, ou entra na fan page Na casa do bicho- Isa Casline Veterinária.

O que são miíases?

Padrão

cachorro

 

As miíases , conhecidas popularmente como bicheiras, são infestações de larvas de moscas e mosquitos em locais aonde não está sendo feita uma higiene correta. Por isso, pode se dar em ferimentos que tenham secreção, dentro do ouvido, na boca, em animais idosos que muitas vezes não conseguem se levantar e acabam por fazer suas necessidades neles mesmos.

Existem algumas espécies de moscas que podem infestar esses locais com seus ovos; em muitos dos casos, aparece apenas uma larva grande no local, que é conhecida como ” berne” e em outras vezes são depositados vários ovos e as larvas nascem aos montes, caracterizando a ” bicheira”. A varejeira é a mais comum das moscas causadoras.

O berne causa incomodo mas é muito mais fácil de ser tratado do que uma bicheira que está há dias no animal. Tanto cães como gatos podem ser afetados. Os sintomas incluem dor , inchaço local , e um cheiro característico muito forte, além de secreção muitas vezes purulenta. Quando no começo, ela é tratada rapidamente . Quando está há mais dias no animal, pode ser preciso alguns dias a mais de curativos, limpeza do local e retirada das larvas. É necessário a aplicação de antibióticos e antiinflamatórios, já que o tecido estará contaminado. Hoje em dia, existem no mercado pet, comprimidos que auxiliam nesse tratamento, fazendo com que as larvas sejam mortas, impedindo assim o crescimento da míiase.

Por isso, ao se deparar com a miíase não se desespere, mas leve ao veterinário o quanto antes para que seja feito a limpeza do local e você seja orientado corretamente sobre o tratamento. Quanto maior a demora, maior a bicheira irá ficando e o animal estará em grande sofrimento, já que as larvas literalmente irão ” comer” aquele tecido.

Para mais dúvidas, deixe uma pergunta aqui no blog, ou na fan page Na casa do bicho- Isa Casline Veterinária.

 

Obesidade em cães

Padrão

 

 

 

 

pexels-photo (1)Cachorros gordinhos são bonitinhos de se ver. Mas não são bichinhos 100% saudáveis.

A obesidade é um grande mal também do mundo animal. E assim como em nós, pode causar inúmeros problemas, como problemas cardíacos, diabetes,  problemas osteo articulares, maior risco em anestesia, problemas respiratórios.

Existem muitas causas que podem levar um animal a ser obeso, como funcionamento inadequado da tireóide, das glândulas adrenais, o que levaria a um desequilíbrio hormonal.

Alguns animais tendem a engordar após serem castrados, mas a culpada nao é a esterilização e sim o fato de que o animal se torna mais tranquilo, sem picos hormonais, o que pode fazer com que fiquem mais sedentários e comilões.

O stress também pode levar ao ganho de peso, já que animais ativos acabam ficando sedentários e ansiosos por descuido do próprio dono que deveriam realizar mais atividades físicas com esses animais.

Mas a principal causa ainda é a má alimentação. O gasto calórico acaba sendo menor do que o número de calorias que o animal está consumindo, fazendo com que haja o acúmulo de gordura. Todo mundo conhece cães que comem pizza, carnes gordurosas, pães e massas, e até refrigerante e doces. Esses animais ou já são obesos ou ficarão obesos. Isso se não tiverem intoxicação alimentar antes pelo excesso de alimentação indevida.

E se meu cachorro já for obeso, o que posso fazer?

Primeiro, levar seu animal para uma avaliação veterinária, onde serão pedidos exames para avaliar possíveis alterações hormonais e se não houverem será indicado uma dieta mais adequada para reduzir a gordura

O proprietário é quem terá que ter muito comprometimento com a alimentação adequada do animal e não ficar com dó quando o cão ficar pedindo tudo que as pessoas estão comendo. Isso é uma questão de habituar mesmo o cão.

Começar a exercitar seu cão. Não precisa sair fazendo corridas de léguas com ele. Caminhadas diárias já ajudam bastante. Brincadeiras em casa como correr atrás de bolinha e pega pega também funcionam bem e  diminuem o estresse.

Leve a cada mês ao veterinário para acompanhar o emagrecimento.

Algumas raças são mais predispostas a engordarem como: Pugs, Basset Hound, Labrador, Golden Retriever, Beagles, Bulldogues e outros. Mais atenção a essas raças.

Outras dúvidas? Fale comigo na fan page Na casa do bicho- Isa Casline Veterinária.

 

 

 

 

Porque vermifugar os peludos?

Padrão

golden-retriever-foto-capa-330x193

 

Fazer a vermifugação do seu pet é uma coisa simples e muito necessária. Mas muita gente acaba esquecendo. Porque então devo me preocupar com a vermifugação, tanto de cães, como de gatos?

Quando filhotes, os vermes podem acarretar maiores prejuízos a saúde, já que fica comprometido o total aproveitamento de nutrientes, podendo levar o animal a presentar anemia, seguida de fraqueza, falta de apetite, queda de imunidade, podendo ser então uma porta de entrada à outras doenças. O filhote ainda pode apresentar vômito e diarréia, fortes dores abdominais e sendo a quantidade de vermes parasitando muito grande, o animal pode vir à óbito.

Em cães adultos, os vermes podem causar também apatia, pelos fracos, e todos os sinas acima citados, porém mais brandos.

Esses vermes podem parasitar o homem também, aumentando ainda mais a importância da vermifugação.

O esquema de vermifugação deve ser feito de acordo com a idade do animal. Quando filhote, devem ser vermifugados assim que desmamam e depois em datas alternadas com as vacinas . Quando adultos, podem ser vermifugados a cada seis meses ou um ano. E atenção para animais que tenham pulga, já que a pulga também transmite vermes. Além de dar o vermífugo, o animal também deverá receber tratamento antipulgas.

O médico veterinário será quem irá te orientar corretamente sobre quais vermifugos a serem dados e em quais datas devem ser dados.

Mais dúvidas, deixe um comentário aqui no blog, ou acesse a fan page Na casa do bicho- Isa Casline Veterinária

 

Posso dividir a ceia de Natal com meu peludo?

Padrão

 

blog_Ivan1981Roo_162774095

 

 

Não, pessoas, não pode!

Embora a intenção seja muito boa, os nossos amigos de quatro patas não estão acostumados as nossas comilanças festivas e alguns ingredientes podem intoxica-los, levando a ter sintomas como diarréias e vômitos.

Uma alternativa seria fazer uma comida natural, já divulgada por muitos sites sobre o assunto, usando alimentos preparados especialmente para eles, que não contenham conservantes, nem temperos fortes.

A carne branca, como chester ou peru, pode ser dada, desde que não tenha temperos.  O arroz branco também, seguindo a mesma linha. Frutas como banana,maçã, podem ser dadas. Estão cortadas as frutas cítricas.

Doces, como panetones, estão descartados da ceia deles. Na sua cidade, podem ter pet shops que vendam panetones feito exclusivamente para cães.

Alimentos gordurosos, como maionese e molhos também não podem ser dados,já que podem levar a uma gastrite aguda, gastroenterite ou mesmo pancreatite aguda, por isso esqueça o salpicão. Esqueça também a uva passa ( quem gosta de uva passa, afinal?)

Fique de olho também para que não seja dada nozes, macadâmias ou castanhas que também podem levar a intoxicações sérias.

Por fim, nem pense em oferecer bebidas alcoólicas!

Tenta todos esses cuidados com seu peludo e assim vocês dois terão um final de ano muito agradável e sem precisar recorrer rapidamente ao veterinário.

Mais dúvidas?? Me escreva aqui no blog ou entre em contato pela fan page Isa Casline Veterinária

 

 

 

 

 

Ossos de frango são perigosos?

Padrão
Safira não resistiu a um osso de frango que foi dado pelo vizinho sem conhecimento da proprietária.

Safira não resistiu a um osso de frango que foi dado pelo vizinho sem conhecimento da proprietária.

Quando eu tinha 8 anos, descobri que sim, esses ossos eram perigosos. Perdi meu primeiro cachorro, um fox paulistinha, que ingeriu um osso de galinha e teve perfuração intestinal. Ele tinha 2 anos.

Essa semana, me deparei novamente com essa situação, quando uma paciente minha, uma Rott de 12 anos, ingeriu um osso de frango, não dado pela proprietária, mas pelo vizinho, que tinha feito churrasco. Só fomos descobrir no ultra som a presença do osso e infelizmente Safira não resistiu, por isso resolvi falar desse assunto.

Ocorre que ao serem mastigados, depois de cozidos ou assados, esses ossos formam lascas( assim como ossos de costela)por terem ficado mais rígidos, que conseguem perfurar o trato gastrointestinal, levando a um quadro muito sério de infecção. O prognóstico nesses casos, mesmo com cirurgia feita a tempo, é sempre reservado, então precisamos ter muito cuidado. Existem alguns ossos que são mais seguros, geralmente que se compram em açougues mesmo, e que são grandes, até com pedaços de tendão e que devem ser oferecidos crus mesmo. Quando o cão desgastar o osso e ele diminuir, troque por outro. Não sei se já comentei, mas não sou nada fã daqueles ossinhos de couro que vendem em pet shop. Também podem ser bem perigosos.

Para outras dúvidas, entre em contato aqui, ou na fan page Isa Casline Veterinária.

Excesso de petiscos para cães e gatos. Cuidado!

Padrão

cachorro_osso

Muita gente adora agradar o seu pet com guloseimas específicas para eles, como ossinhos, snacks, bifinhos, entre outras coisas. Mas as guloseimas foram feitas para serem dadas com moderação, o que na maioria das vezes não ocorre.

Boa parte dos proprietários com quem converso faz com que os petiscos se tornem rotina na alimentação, quando ele deveria ser dado para reforçar comportamentos positivos, por exemplo, como fazer as necessidades no local adequado, se comportar durante um passeio ou um agrado de vez em quando.

O petisco é muito mais palatável que a ração, já que ele apresenta uma quantidade grande de gordura e sal, sendo assim, em excesso , ele vai desequilibrar toda alimentação do animal, que poderá apresentar obesidade, diabetes, acúmulo de gordura no fígado, hipertensão, e ainda a curto prazo, diarréias e vômitos. É como se você tivesse dando batata frita ou doces todos os dias para uma criança. Por mais que a intenção seja boa, de deixar o seu bichinho feliz, você só estará prejudicando o bom funcionamento do organismo dele.

Pense em oferecer o petisco algumas vezes na semana, de forma alguma dê todo dia e mesmo quando estiver dando, dê pequenas quantidades, não exagere! Pense em substituir por frutas que ele possa comer como banana ou maçã( nada de frutas ácidas!) ou cenoura. E mesmo assim, nada de grandes quantidades.

Por mais dúvidas sobre alimentação adequada, entre em contato aqui no blog ou na fan page Isa Casline Veterinaria.

Diabetes! Um mal muito comum em pets!

Padrão
Fonte: diabeticool.com

Fonte: diabeticool.com

Muita gente, ainda hoje em dia, não sabe que seu cão ou gato, assim como o ser humano, pode sofrer de diabetes. As pessoas se questionam,já que muitos desses animais diagnosticados, nunca comeram nada que não fosse ração e segundo acreditam, o açúcar seria o fator desencadeante.

A diabetes porém, é uma desordem hormonal muito comum, com predisposição maior em fêmeas e até em algumas raças, podendo aparecer em cães de meia idade ou mais idosos.

O pâncreas perde a capacidade de produzir a insulina, que é um hormônio regulador da glicose e isso normalmente ocorre pela predisposição do animal a ter a doença. Se ele tiver uma má alimentação, isso só irá acelerar o problema, mas mesmo que ele tenha uma alimentação adequada, ela poderá aparecer.

Os sintomas iniciais são silenciosos e muitos proprietários não prestam atenção neles: poliuria e polidpsia( urinar e beber água com muito mais frequência), emagrecimento progressivo, mesmo com apetite aumentado. Alguns ganham peso e numa fase mais avançada, o animal pode apresentar catarata e letargia.

Como estamos falando da Diabete Mellitus , que é a mais comum, o tratamento se dá através de aplicações de insulina, por toda vida, com ajustes da dose e exames frequentes.

Se não for logo diagnosticada, o animal pode vir a óbito rapidamente, por isso, sempre que notar seu animal bebendo mais água, urinando mais do que de costume ou com apetite muito maior, procure o veterinário. O exame é simples e o resultado rápido. O animal convive bem com a doença se tratada adequadamente.

Dúvidas? Entre em contato aqui ou pela fan page Isa Casline Veterinária