Micoplasmose( antiga hemobartonelose)

Padrão

gato

No post passado, falei sobre as hemoparasitoses que podem acometer os cães. Mas muita gente não sabe é que os gatos podem desenvolver também um tipo de doença trazida pelo carrapato e também por pulgas ou piolhos. Há ainda a transmissaõ transplacentária , quando a gatinha infectada transmite a bactéria aos seus filhotes.

Esta doença se chama micoplasmose. Ela pode ainda estar no animal de forma assintomática, aparecendo apenas quando o animal tem uma queda no seu sistema imunológico, devido a estresse ou outras doenças debilitantes.

Os sintomas incluem apatia, anemia, aumento do baço, febre e emagrecimento progressivo, entre outros.

O diagnóstico se dá através de exames de sangue e também pelo histórico de infestação por pulgas ou carrapatos.

Nos animais assintomáticos,ou com sintomas brandos a doença tende a ser auto limitante, sendo que o organismo reage e elimina a infecção, porém nos casos mais sérios, deve- se utilizar antibióticos , complexos vitamínicos e hidratação do animal através de fluidoterapia.  Evitar sempre que o gato passe por situações de estresse.

Os animais tratados se recuperam da doença, mas se tornam portadores dela pelo resto da vida, e qualquer situação que deixa o sistema imunológico mais debilitado, pode fazer com que a doença retorne.

Qualquer mudançã no comportamento do felino, consulte sempre o veterinário. Dúvidas? Deixe seu recado aqui  ou na fan page Isa Casline Veterinária

Doença do carrapato( hemoparasitose)

Padrão

carrapato vermelho do cão

 

 

 

Eu morei por seis anos em Ribeirão Preto. Pra mim, lá era o reino central dos carrapatos. Impressionante como lá os cães pegavam esses bichos e assim, a incidência da doença ,que pode ser transmitida por eles era bem alta.

Quando me mudei pra São Paulo, notei que até então, a incidência das hemoparasitoses era bem baixa. Porém, venho notado, principalmente com o aumento da temperatura, que a realidade tem mudado. Animais que antes sofriam apenas com pulgas, agora sofrem com os tais carrapatos e assim, aparecem as doenças.

A erlichiose e a babesiose são transmitidas através da picada do carrapato Rhipicephalus sanguineus, e as duas doenças podem aparecer tanto sozinhas, como juntas,agravando ainda mais o quadro.

O mais perigoso nessa doença é que muitos animais apresentam a forma subclínica, demonstrando apenas sintomas leves como perda de apetite um dia , mas voltando a comer no outro, ou mesmo apatia repentina, que logo desaparece. Sendo assim, muitos proprietários deixam passar despercebida a doença e quando o animal começa a apresentar os sintomas significativos como febre alta, inapetência, dores nas articulações, vômitos e diarréias, a doença já está num estágio mais avançado.

Como os sintomas não são específicos, a doença é diagnosticada por exames de sangue.

Muitos proprietários ficam assustados quando dou o diagnóstico, achando que a doença não tem cura, mas ela tem sim! O tratamento feito com antibióticos é um pouco longo e ainda existem animais que desenvolvem a forma crônica da doença, extendendo ainda mais os dias de tratamento, mas se for seguido conforme o veterinário prescreveu, os animais apresentam melhora em pouco tempo. Alguns mais debilitados e com um quadro mais severo, irão necessitar de transfusão, já que a doença causa anemia. Esses casos requerem mais cuidados.

O controle do carrapato, por isso, é importantíssimo para que  se evite a contaminação ou mesmo a recontaminação.

Fique sempre atento e ao menor sinal de apatia do seu animal, mesmo que apenas por alguns dias, leve ao médico veterinário, porque deixar a doença progredir , pode realmente levar o animal ao óbito.

Mais dúvidas, entre em contato pela fan page Isa Casline Veterinária